Produtos

CABO ÓPTICO AS80 144FO CABLENA

Cód.

Cabo Óptico AS80 144FO CFOA-SM – CABLENA

Cabo Óptico AS80 144FO recomendado para instalações externas como cabo para rede de transporte em entroncamentos urbanos, sendo indicados para instalações aéreas externas, com lançamento direto entre postes, que não requerem o uso de cordoalhas.
Constituído por tubos encordoados (“tubo loose”) preenchidos com geleia, elemento central, elemento tração dielétrico, núcleo protegido contra penetração de umidade e revestimento externo de material termoplástico.

Aplicações:

  • Instalações Aéreas, auto sustentados;
  • Totalmente dielétrico, não precisa ser aterrado;
  • Resistente a intempéries e raios UV;
  • Ideal para aplicações externas com vão de até 120 m sem uso de mensageiro;
  • Resistente a penetração de umidade;
  • Tubo loose preenchido com geleia;
  • Disponível com capa em polietileno normal (NR) e retardante a chama (RC);
  • Disponível com fibras monomodo (G.652B ou G.652D), monomodo de
  • dispersão deslocada e não nula (G.655), multimodo 50µm e multimodo 62,5µm (G.651).

Dados Técnicos:

  • Ciclo Térmico: -20°C até 65° C
  • Tração do cabo e deformação da fibra óptica: 0,00% quando em CMO 0,00% após relaxamento
  • Compressão: 100
  • Impacto: 2,0 kgf; 25 ciclos
  • Torção: 10 ciclos
  • Raio Mínimo de curvatura: 5 voltas em mandril com raio de 6 x o diâmetro externo do cabo Penetração de água: 1m de cabo, 1 m de coluna d’água, 24h
  • Dobramento: 25 ciclos, 2 kg de massa de tração, mandril com 6X o diâmetro do cabo

Fibra óptica (ou ótica)

É um filamento flexível e transparente fabricado a partir de vidro ou plástico extrudido e que é utilizado como condutor de elevado rendimento de luz, imagens ou impulsos codificados. Têm diâmetro de alguns micrometros, ligeiramente superior ao de um fio de cabelo humano. Por ser um material que não sofre interferências eletromagnéticas, a fibra óptica possui uma grande importância em sistemas de comunicação de dados.

Inicialmente as fibras ópticas eram utilizadas como guias de transmissão de sinais ópticos e operavam entre distâncias limitadas, pois apresentavam grande perda de luz na transmissão, alto calor que os lasers produziam e tinham problemas com as emendas. Contudo, em meados dos anos 70, ocorreu um aprimoramento significativo das técnicas ópticas utilizadas e, devido a isso, tornou-se possível a monitoração de grandezas e a troca de informações a longas distâncias. No Brasil a fibra óptica foi introduzida apenas em 1977, após grandes pesquisas, realizadas na sua maioria pela UNICAMP.

Há dois tipos de denominação recorrentes às fibras ópticas, os quais possuem características e finalidades próprias. Um deles é a fibra óptica monomodo. Esta apresenta um único caminho possível de propagação e é a mais utilizada em transmissão a longas distâncias (devido a baixas perdas de informação). Já a fibra multimodo permite a propagação da luz em diversos modos e é a mais utilizada em redes locais (LAN), devido ao seu custo moderado. (fonte: Wikipédia)